Viagem, por Paulo André

Essa noite passeei pelo sol

De dia falei com a lua

Desci em caracol

Sem nexo com meu lençol

Minha alma estava nua!

 

A alma está em brasa

Vaga entre o ódio e o amor

O espírito ganhou asa

Passeia por toda a casa

Que é meu eu interior

 

Cantando sonhos meus

O divino é longe ou perto?

Encontro de todos os eus

Dentro de mim está Deus

Pronto pra ser descoberto

 

Como o todo é bonito

Tudo isso é um presente

Alma valsa pelo infinito

Que é apenas meu espírito

O todo repousa em minha mente

 

O esplendor do salão dourado

Onde a noite também é dia

Cada mestre ascensionado

A Fraternidade toda ao meu lado

Tão perto, e não percebia

 

É hora de retornar

Nem ao menos sem ter ido

Pois eu sempre estive lá

Basta apenas despertar

O caminho foi percorrido

 

Vejo a humanidade

O homem busca entender

Nos mistérios estão a verdade

Mistério mora na simplicidade

A vida é só viver

Trovoadas do Além, por Paulo André

Desperto no meio da fronteira

Que separa o mal e o bem

Revejo a vida inteira

Do abismo estou a beira

Ouço Trovoadas do Além
A jornada começa assim

Nem mais me reconheço

A besta fera salta de mim

Apenas o começo do fim

Apenas o fim do começo
Trovoadas de pensamentos

O mundo em minha palma

Navego pelos elementos

Encaro todos tormentos

O Cosmos em minha alma
Entre pedras e rochedos

Entre o claro e o escuro

Vencendo todos os medos

A chave de todos os segredos

Do passado, presente e futuro

 

 

Aberto todo o meu ser

Falo mas estou mudo

Vida após morrer?

Vida antes de nascer?

Já vou saber de tudo
O espírito a contempla-lo

Majestoso palácio de Walhalla

O segredo é só ama-lo

A vida é só o intervalo

Separando os dois tempos da batalha
Entre trovoadas e a bonança

Sair ou voltar ao pó?

Qual lado não tem importância

Vida e Morte é semelhança

As Dimensões são uma coisa só

O Poder do Eterno – O Poder da Mudança da Realidade, por Ricardo Maffia

A Vida é uma constante entre oscilações para cima e para baixo. A Vida é dinâmica e intensa.
Muitas pessoas apesar de estarem vivendo uma vida aparentemente sem respostas e sentirem uma espécie de estagnação, na realidade não percebem, mas também não tem culpa, de que a intensidade de suas vidas acaba por deixarem-nas na estagnação. Continue lendo “O Poder do Eterno – O Poder da Mudança da Realidade, por Ricardo Maffia”

A auto-estima diretamente ligada à moda, por Gabriela Fernandes

Hoje, lendo alguns artigos sobre moda, li uma frase que para mim diz tudo sobre essa ligação direta entre a moda e a auto-estima: Se a nudez é crua, o vestir é uma construção. Não podemos escolher o tipo de corpo que teremos – isso fica por conta da nossa genética que, na maioria das vezes, não agrada ninguém: Quem tem pernas grossas queria ter finas, quem tem pouco seios gostaria de maiores e assim vai uma lista extensa e sem fim.

A moda não pode mudar essas insatisfações genéticas, mas pode decidir o que vai nos cobrir ou descobrir, construindo as nossas preferências e a forma como nos mostraremos para o mundo. Assim posso afirmar com muita convicção que o nosso estilo de vestir pode falar muito mais sobre nossa personalidade e alma do que se imagina.

E também posso afirmar que a compra de uma roupa nova não tem o poder de intensificar nossa felicidade por ser um prazer momentâneo que vai durar até a próxima vitrine, mas tem o poder de nos oferecer um outro ponto de vista sobre nós mesmos e como queremos ser vistos por todos.

Então vamos usar as nossas ferramentas (roupas ,sapatos ,acessórios ,etc..) para elevarmos a nossa auto-estima e nos mostrar da forma mais bonita ao mundo.

Ondas Nocivas, por Manoela Valente

As ondas ou radiações emitidas por todos os corpos, são detectadas pelo pêndulo,por uma série de movimentos e, conhecendo esses movimentos,podemos encontrar jazidas, águas subterrâneas e outras ondas energéticas.

Os Radiestesistas foram classificando todos os corpos pelas radiações que emitem e chegaram a conclusão que cada pessoa,enfermidade, medicamento ou objeto,emite ondas particulares,próprias a cada um.

Procuraram então encontrar as radiações de algumas anomalias encontradas em alguns lugares.

Passaram a perceber reações do pêndulo,quando, por exemplo, que quando mudavam a cama de um paciente de lugar e que com esta mudança de posição da cama ou mesmo mudando o paciente de quarto,conseguiam casos de melhoria e até de cura, significativos.

As radiações responsáveis por essas perturbações, foram chamadas ” ONDAS NOCIVAS”.

Os primeiros a falarem sobre ondas nocivas foram os franceses ,entre eles: Abade Mermet A.Bovis; J.Martial; Chaumery; A.de Belizal; L.Turenne e Enel.

Outros fenômenos forma sendo estudados, como por exemplo algumas estradas, que em certos pontos, aconteciam diversos acidentes inexplicáveis, em número acima do normal , ou edifícios cujos moradores eram vítimas de enfermidades mortais ou onde se registrava muitos casos de suicídio entre outras fatalidades. Nestes lugares também foram encontradas as ondas nocivas.

Os Radiestesistas chegaram então á conclusão de que a superfície terrestre está envolta em duas redes paralelas de forças,uma Subterrânea ou Telúrica e outra Superior ou Cósmica.

Em determinados lugares, devido a acidentes de terreno( jazidas, cavidades etc.) , há um desequilíbrio entre essas forças, sempre no sentido de maior força telúrica, quando esta aflora à superfície e, por um desses pontos, surgem as ONDAS NOCIVAS.

Os Radiestesistas conhecem e aplicam reguladores e neutralizadores das ONDAS NOCIVAS, promovendo melhor qualidade de vida e saúde .

A Coodependência e a Dependência Química, Por Mariana Rosas

Quando nos deparamos com um filho, um pai, uma mãe, enfim, qualquer pessoa do nosso convívio familiar que faça o abuso de substâncias químicas, o medo nos invade. Primeiramente começamos a nos perguntar onde foi que erramos e a nos sentir culpados. A preocupação, a culpa, os ressentimentos, viram nossos aliados e passamos a conviver com vários sentimentos que nos causam dor. Aí a gente lê, estuda, consulta os amigos, profissionais e por fim descobrimos que temos uma pessoa doente em casa: a doença da dependência química. Uma doença progressiva, incurável e fatal.

O desespero chega. E agora?
Agora temos 2 opções. Geralmente a mais fácil, a mais reconfortante e a mais habitual é começarmos a proteger  o nosso dependente químico de tudo e de todos. Pagamos as dívidas dele, damos dinheiro a ele, arranjamos desculpas para o comportamento dele, arcamos com as responsabilidades que são dele e por aí vai. Aí percebemos que não está funcionando e que por mais que façamos tudo o que podemos, nada adianta. E mesmo relutantes, vamos a segunda opção: buscar ajuda profissional. Geralmente o ideal é uma Internação e acabamos por fazê-la. O nosso dependente químico está em tratamento. É nós? Nós estamos tentando descansar de tudo o que aconteceu nos últimos meses ou anos, sem nos dar conta que juntamente com ele, nós adoecemos também. Passamos a viver a vida dele, colocamos no comportamento dele as nossas alegrias e tristezas, passamos a não dormir, a não comer, pois apesar da dependência química não ser uma doença contagiosa, trata-se de uma doença contagiante. Bom, parece que essa ultima é a segunda opção, mas não, a verdadeira segunda opção para uma recuperação plena, é nos tratarmos também, pois acabamos por adoecer  juntamente com o dependente. A nossa  doença chama-se Coodependência. Uma pessoa coodependente permite que o comportamento de outra pessoa a afete e sente-se obcecada em manter o controle sobre o comportamento do outro.
Para o sucesso do tratamento da dependência química é de extrema importância que a família, na maior parte às vezes, coodependente, se trate também para que ao término da internação, tenha se criado um padrão de convívio onde se consiga estabelecer  limites saudáveis e de respeito mútuo.

Mariana Rosas

Stress e câncer: que ligação é esta?”, por Heloisa Garbuglio

Uma definição para o stress tão comentado e sentido em nossos dias seria um desequilíbrio do nosso organismo em resposta a influências ambientais. Desde os primórdios de nossa civilização, o homem vem tentando se adaptar e sobreviver às mais variadas intempéries da natureza, na busca pelo alimento, na luta pela demarcação do espaço geográfico, em guerras, tribais, mas, ainda reluta em conseguir dominar aquilo que lhe parece mais fácil: o seu semelhante e ele mesmo.

Com a vida em sociedade, outros perigos apareceram e ocuparam o lugar daqueles que estressavam nossos ancestrais. O homem passou a escrever a sua história baseada em competitividade social, capacidade profissional, segurança social e sobrevivência econômica, história essa que é escrita com algum sofrimento, mágoas e tristezas que encontramos em nossas relações familiares, profissionais e sociais.

Se antigamente nossos ancestrais tinham objetivos reais determinados a combater, hoje a ameaça do perigo vive dentro de nós. Nosso coração bate mais forte na luta pela nossa sobrevivência, que se traduz pela instabilidade da nossa política econômica, desemprego, preços altos, o cumprimento de nossos compromissos cotidianos, a educação de filhos. Esse desequilíbrio vai gerar sintomas psicológicos e físicos tais como: tensão muscular, indigestão, ansiedade, insônia, dentre outros, que vão resultar em doenças.

Um stress temporário faz parte de algum momento em nossas vidas. O indivíduo percebe uma súbita ameaça, que lhe causa algum desequilíbrio, que envolve, por algum tempo, perdas temporárias. Num indivíduo saudável, todo o sistema do organismo conspira para que o equilíbrio retorne e a felicidade se restabeleça. Os sintomas do estresse fisiológico são extremamente idênticos nos animais e nos seres humanos, independentes da fonte estressora e constituem a forma que o organismo encontra para enfrentar o desafio. Esta resposta é conhecida como “resposta de luta ou fuga”, seguida de uma homeostase (relaxamento).

Quando a resposta de luta ou fuga é prolongada, a ação do indivíduo fica bastante limitada. O organismo não consegue agir, lutando ou fugindo para livrar-se do estresse. Organicamente há alterações nas glândulas supra-renais (adrenalina e cortisona), alterações no ritmo cardíaco, no controle da pressão arterial e principalmente no sistema neurológico.Psiquicamente o stress profundo, o esgotamento, e a ansiedade crônica, levam o indivíduo a um estado de apatia, desanimo e desinteresse em relação à vida.O paciente só consegue enxergá-la em “preto e branco”.

As fontes de descarga de stress são múltiplas. Eventos positivos ou negativos requerem que os indivíduos se adaptem a mudanças rápidas e profundas altamente estressantes. A doença aparece para o indivíduo como “forma de solução de problemas”. Podemos observar um forte vínculo entre o stress e o aparecimento do câncer nos indivíduos, ou seja, doenças que afetam o sistema imunológico do corpo e suas defesas materiais contra infecções e outras doenças.

A imagem popular do câncer é condicionada pela visão fragmentada do mundo e de nossa cultura. O câncer é visto como um poderoso agente invasor externo que ataca nosso corpo r que não podemos lutar. Na realidade a biologia celular nos mostra que as células cancerosas não são fortes e muito menos potentes. Elas são fracas, desordenadas, não invadem e nem destroem o nosso organismo. Elas simplesmente se super produzem. Podemos observar como se fosse um ciclo entro de nosso organismo onde:

 

– um câncer aparece numa célula com informação genética incorreta, danificada por substâncias nocivas, ambientais;

– informação defeituosa faz com que a célula não funcione normalmente;

– quando essa célula se reproduz temos um tumor composto de células imperfeitas.
Num organismo saudável o sistema imunológico reconhece as células anormais, destruindo-as, impedindo-as de se propagarem. Num sistema imunológico afetado pela depressão, pelo stress e pelo esgotamento, a defesa orgânica não é suficientemente forte para impedir que as células defeituosas proliferem. O câncer não é um ataque externo, mas na, realidade, um colapso interno.

Carl Simonton em suas pesquisas sobre o câncer constatou que estados de desequilíbrio gerados por stress prolongado, que é canalizada por meio de determinada personalidade, dão origem a distúrbios específicos. Tensões críticas que os indivíduos sentem como ‘’ sem saída’’, aparecem de seis a dezoito meses, antes do diagnóstico do câncer. Essas tensões geram sentimentos de desesperança, impotência e inadequação.

O stresse emocional afeta o sistema imunológico do corpo causando desequilíbrio acarretando alterações hormonais com aumento da produção de células anormais. O corpo se torna incapaz de destruir as células malignas no momento que a produção aumenta.

Lawrence Leshan estudou e identificou a mesma configuração de personalidade e estados emocionais dos indivíduos que desenvolveram câncer: sentimentos de abandono, isolamento, desespero durante a juventude, perda de parentes próximos na infância, e principalmente, estes indivíduos não serem capazes de externalizar seus sentimentos, suas magias, guardando-as de uma maneira colérica e hostil.

O processo de cura envolve uma abordagem multidimensional, para se iniciar o processo psicossomático de cura. O paciente procura restabelecer sua crença na eficácia dos tratamentos e na potência das defesas do seu corpo.  No nível biológico, a finalidade do tratamento é destruir as células cancerosas e neutralizar o sistema imunológico. É importante a terapia física usada concomitantemente com a abordagem psicológica. Atualmente, além da terapia convencional, tenho associado ao meu trabalho outras técnicas: Terapia Regressiva; Visualização Criativa e Hipnose, que acredito ajudam a fortalecer o sistema imunológico os pacientes, fazendo-os rever seus sistemas de crenças, bem como lhes facilitar o acesso ao inconsciente por meio de uma linguagem simbólica. A mudança no sistema de crenças vai se realizar no nível físico, mental, filosófico e espiritual. Por meio dessas técnicas, o paciente pode ou não melhorar do câncer, mas com certeza vai conseguir melhorar a qualidade de vida ou de sua morte. Lidar com a morte é aprender a lidar com a vida.

Bibliografia:

Bizarri, Mariano. A mente e o câncer, Summus, São Paulo, 2001.
BREAUX, Charles. Jornada rumo á Consciência, Pensamento, São Paulo, 2000.
CAPRA, Fritjof. O Tao da física, Summus, São Paulo, 1997.
LESHAN, Lawrence. O Câncer como ponto de Mutação.Summmus editorial, São Paulo; 1992

heloisagarbuglio@hotmail.com

 

Você pode obter o resultado desejado trabalhando com a programação neurolinguística. Por Eliane Costa

A Programação NeuroLinguística (PNL) é uma metodologia prática para alcançar resultados em tudo o que você objetiva para a sua vida. O trabalho com a PNL possibilita um resultado mais eficaz e rápido do que as técnicas conhecidas.

Existem alguns princípios básicos que formam os pilares da PNL:

  • Fazer o que diz e dizer o que faz, mantendo um alinhamento e congruência com os valores, crenças e metas do seu plano de vida, tendo consciência de seu estado físico, emocional, mental e espiritual.
    VOCÊ, SEU ESTADO EMOCIONAL, MENTAL E ESPIRITUAL, CONGRUENTE COM SUA MISSÃO DE VIDA
  • Aplicar os pressupostos da PNL como um guia que fala, diretamente, às suas crenças. Aquilo que pressupõe como ideia certamente vai conduzir suas ações.
    PRESSUPOSIÇÕES DE EXCELÊNCIA
  • Ter o cuidado de construir bons relacionamentos. A comunicação através de um bom Rapport é importante para compreender o outro e respeitar sua forma de ver o mundo. Pode-se construir uma relação onde o outro é compreendido e resulta em confiança e responsividade. O Rapport é essencial para desenvolver uma boa comunicação.
    RAPPORT – SINTONIA NAS COMUNICAÇÕES
  • Os sentidos vão direto para o desejo quando o foco está no resultado planejado. Saber o que você quer, onde está agora e, principalmente, como planejar sua estratégia de ação para sair do ponto onde está e alcançar o resultado desejado. Isto é fundamental e para isso a PNL utiliza inúmeras ferramentas.
    ESTADO ATUAL à ESTADO DESEJADO
    RESULTADO POSITIVO
  • Avaliar seu desempenho no caminho – Feedback para saber se está indo na direção da sua meta, prestando atenção aos seus sentidos para perceber o que está ocorrendo.
    FEEDBACK
  • Estar aberto a mudanças. Treinar a flexibilidade ao longo do tempo para modificar o que não funciona e efetivamente fazer algo diferente.
    FLEXIBILIDADE

Estes são alguns dos princípios fundamentais da PNL; compreendê-los e procurar trabalhar conscientemente utilizando-os, trará, certamente, os resultados tão esperados.

Dezembro2015

Eliane Costa

“DE SAPO A PRÍNCIPE” TRABALHANDO AS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM, Por Carmen Silvia Carvalho

Há muitos anos atuo como psicopedagoga e como assessora da área de Português em escolas da rede pública e particular. Como assessora, posso, ao estar ao lado dos professores, acompanhar a angústia que as crianças que têm comportamentos inadequados, ritmo mais lento de trabalho e dificuldade para aprender geram nos professores e o quanto é difícil saber o que fazer e como lidar com elas em sala de aula.

Ao mesmo tempo, meu trabalho como psicopedagoga me permite entrar na alma dessas crianças e desses adolescentes e compreender o que se passa dentro deles, acompanhar suas angústias e compreender como sentem o modo como nós, os adultos, ensinamos e lidamos com eles. A conclusão que tirei a partir desses anos de trabalho nesses dois campos é a de que os dois se desejam: os professores querem muito “dar conta” dessas crianças e adolescentes, e eles, querem muito ser bem sucedidos. No entanto, nem sempre um sabe como atingir o outro. Por essa razão, ao escrever esse texto, meu desejo é poder fazer uma ponte, estabelecer uma interlocução entre o professor e essas crianças e adolescentes.

A escolha desse título – De Sapo a Príncipe – retirada da idéia dos Contos de Fadas, justifica-se porque, na verdade, o nosso desejo é que essas crianças que estão “encantadas” tornem-se príncipes, que superem as suas dificuldades e que nós possamos ter o prazer de vê-las crescendo felizes e aprendendo muito. Neste momento, em que a educação está voltada para a importância da inclusão, essa discussão torna-se muito relevante. Nem sempre, porém, sabemos como fazê-la.

Continue lendo ““DE SAPO A PRÍNCIPE” TRABALHANDO AS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM, Por Carmen Silvia Carvalho”